Núncio Apostólico no Brasil visita Comunidade Canção Nova

A Comunidade Canção Nova recebeu pela primeira vez a visita do Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giambattista Diquattro. Os compromissos do prelado, que representa o Papa Francisco, como uma espécie de embaixador da Santa Sé, começaram logo cedo. Antes de presidir a Santa Missa no Santuário do Pai das Misericórdias, acompanhado do bispo diocesano de Lorena, Dom Joaquim Wladimir Lopes Dias, do bispo emérito da diocese, Dom Benedito Beni dos Santos, e do vice-presidente da Comunidade Canção Nova, Padre Wagner Ferreira, Dom Giambattista conheceu o mosaico dedicado ao Pai das Misericórdias. Conhecer melhor a espiritualidade e a vida da Comunidade era uma das intenções do prelado, que um dia antes teve compromissos na diocese de Lorena.

Na homilia da Santa Missa, o núncio apostólico agradeceu os serviços missionários de evangelização realizados pela Comunidade Canção Nova à Igreja e à Nunciatura Apostólica no Brasil. Dom Giambattista ressaltou caminhar diante do Senhor, em santidade, cuja expressão máxima se traduz através do amor: “Deus é amor e o amor deve ser o selo da nossa identidade“. Para tanto, é preciso reconhecer-se pequeno, enquanto homens e mulheres que caminham na infância espiritual, sustentados pelo amor de um Pai que não nos abandona e nos quer irmãos: “somos pequenos diante de Sua grandeza, somos amados com o amor terno do Redentor. Ele deixa os seus filhinhos, mas não os quer perder. Ele ensina o caminho para alcançá-lo […] E Ele nos quer com a unção da fraternidade”, concluiu.

“Somos pequenos diante de Sua grandeza… somos amados com o amor terno do Redentor” (Foto: Bruno Marques)

Uma conversa de coração a coração…

Encerrada a celebração Eucarística, transmitida ao vivo pelo Sistema Canção Nova de Comunicação, Dom Giambattista teve um momento em particular com os membros da Comunidade que participaram da Santa Missa. Acompanhado do vice-presidente da Canção Nova, padre Wagner Ferreira, o prelado falou sobre a importância de assumirmos, vivermos e compreendermos o que é ser Igreja, a partir do que foi proposto pelo Concílio Vaticano II: “O sopro do Vaticano II é o sopro do Espírito Santo“, afirmou. Ainda segundo ele, o texto conciliar nos ajuda a viver a correspondência da vocação comum à santidade; cada um naquilo que lhe é próprio. 

Núncio Apostólico fala à Comunidade Canção Nova (Foto: Bruno Marques)

Também reforçou a necessidade que toda Igreja tem de ser sustentada pela oração de cada fiel e da contínua busca de conversão, tão enfatizada nos discursos e mensagens do santo padre, o Papa Francisco: “O papa fala muito de uma reforma interior espiritual e não apenas uma estratégia…. É uma conversão pessoal […] Há porções de nossos corações que estão fechadas a Deus! Precisamos de uma conversão interior… A partir desse combate espiritual vamos naturalmente comunicar aos demais o Espírito Santo e o amor de Deus.

Em uma conversa cordial, “de coração a coração“, em suas próprias palavras, Dom Giambattista respondeu a perguntas de alguns membros da Comunidade, reforçando a complementaridade de atuação evangelizadora que cada membro da Igreja é chamado a viver, dentro do seu estado de vida para a santificação das realidades humanas. Valorizando as famílias, recordou com carinho das “pequenas coisas” que aprendeu ainda pequeno, em casa, como o gesto de traçar o sinal da cruz, e da importância do testemunho e do amor dos pais para com os filhos. Também lembrou da necessidade de gerar e viver em comunhão, com esforços que nos são próprios na colaboração à graça de Deus, lembrando o esforço com que a humanidade caminhou rapidamente na fabricação de tratamentos e vacinas eficazes contra as mazelas que a pandemia da Covid-19 trouxe ao mundo desde 2020.

Finalizou dando dois conselhos aos membros da Comunidade, mas que também se aplicam a todas as expressões de fé e movimentos dentro da Igreja: comunhão e obediência. “Se és comunidade, deve viver a comunhão que é o testemunho da presença do Espírito Santo. Sem comunhão não há presença do Espírito Santo! Comunhão quer dizer caridade, amor… As ideias podem ser diferentes mas o amor deve ser único pra todos!” Falando sobre a obediência, explicou: “Obedecer é saber escutar com um coração iluminado pela graça do Senhor! Peça um coração que saiba ouvir! Obediência é fundamental!“.

Encerramento da visita à Canção Nova

Após este momento, Dom Giambattista visitou Monsenhor Jonas Abib, que, devido ao tratamento que faz contra um mieloma não pode participar da missa no Santuário do Pai das Misericórdias, nem acompanhar o núncio nos compromissos dentro da Comunidade Canção Nova. Os dois conversaram bastante e falaram sobre a relação de comunhão desenvolvida entre a Canção Nova e a Igreja no Brasil e na Nunciatura Apostólica no Brasil, situada em Brasília, que conta com a presença e o serviço de um dos membros da Comunidade. Em seguida, terminada a visita à casa do fundador da Canção Nova, o núncio concluiu sua agenda em Cachoeira Paulista com um tour por vários pontos da Chácara Santa Cruz: Centro de Evangelização Dom João Hipólito de Moraes, Rincão do Meu Senhor, Padaria Vovó Josefa, Central Técnica da TV Canção Nova, Instituto Canção Nova, Centro Médico Padre Pio e a Casa de Formação de candidatos às ordens Sacras da Comunidade, onde participou de um almoço com os padres, seminaristas, membros do Conselho Geral e outros membros da Canção Nova.

Confira a reportagem

Missão do Núncio e a sua presença no Brasil

Vem do tempo do Império as relações diplomáticas entre o Brasil e Santa Sé. O primeiro enviado do Papa ao país foi recebido por Dom Pedro I, em 1829, sendo o primeiro Núncio Apostólico no Brasil o bispo italiano Pietro Ostini. Desde então, já passaram por aqui 32 núncios, que ajudaram a proteger e solidificar a religião católica no país.

A missão do Núncio Apostólico, como consta no Código do Direito Canônico (Cânones 362 – 367), é o de representar o Papa, ser uma espécie de embaixador da Santa Sé. Ele em como missão efetivar vínculos e tornar eficaz o diálogo e a proximidade das dioceses e bispos com o Pontífice. Mas como se trata também de um papel diplomático, o Núncio é o responsável por promover e estimular o diálogo e as relações entre a Santa Sé e as autoridades do país ao qual ele corresponde.

Há 193 anos, o Brasil conta com a presença de um representante do Papa em seu território. Desde 2020, essa missão foi confiada ao bispo italiano Dom Giambattista Diquattro, que é formado em Diplomacia Vaticana, é ainda teólogo e canonista.

Antes de ser enviado para o Brasil, o prelado foi Núncio Apostólico no Panamá, na Bolívia, na Índia e Nepal. Ele ingressou no Serviço Diplomático da Santa Sé em 1985, no pontificado de João Paulo II. A pedido do Papa Francisco, ele veio para a nunciatura brasileira para substituir Dom Giovanni d’Aniello, que havia passado oito anos no cargo.

________________________________________________________________________________

 George Lima Facundo, natural de Maranguape/CE,
missionário da Comunidade Canção Nova desde 2014. 
Candidato às ordens sacras, estudante de Teologia,
bacharel em Comunicação Social Jornalismo (UFC) e
licenciado em Filosofia pela Faculdade Canção Nova.

Aviso legal: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Canção Nova. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.