Ser missionária fora do país

Neidinha-missionaria-Cancao-Nova

Neidinha, missionária da Comunidade Canção Nova

*Por Neidinha, missionáriada Comunidade Canção Nova

Olá, sou a Neidinha, nasci na cidade de Feira de Santana, na Bahia. Sou missionária da Comunidade Canção Nova há 18 anos e, atualmente, estou morando na missão da Canção Nova em Atlanta-EUA.

Quero partilhar com você um pouco da minha história vocacional. Nós ouvimos muito a frase: “vocação é um dom, um chamado” e, de fato, é mesmo! Quando estamos discernindo a nossa vocação não conseguimos expressar muitas palavras e nem dar muitas explicações sobre o que realmente acontece em nosso interior.

Lembro-me, perfeitamente, quando eu estava discernindo a minha vocação. Na verdade, nem sabia que tinha uma vocação. Meu diretor espiritual me ajudou a perceber que Deus estava me chamando para uma missão diferente e, nessa busca, o próprio Senhor foi conduzindo-me à sua vontade. Colocou pessoas que me ajudaram, me fazendo perceber que havia dentro de mim um apelo a uma vida mais dedicada ao seguimento de Cristo Jesus. Somente eu tinha uma clareza no meu coração: o desejo de ser santa! Queria muito viver a santidade. Recordo-me, muito bem, quando encontrei a Canção Nova pela primeira vez na minha cidade. Era uma frente de missão composta por, mais ou menos, 20 missionários e lá eu pude fazer uma linda experiência do amor de Deus com alguns daqueles missionários.

Era impressionante! Havia dentro de mim um eco, uma ressonância, uma alegria que brotava dentro de mim. Estava encantada com tudo que via e ouvi. Era como você encontrar uma pessoa e você se apaixonar por ela na primeira vez que a vê. Eu estava apaixonada por aquele Carisma. Dentro do meu coração ecoava esta inpiração: é isso que eu quero viver!

Eu não sabia de nada, não tinha noção quem era aquela gente, mas Deus falava no meu coração: “aqui é o seu lugar”. Quando vi aqueles missionários dando a vida, alegres, felizes, dizendo que queriam ser santos, vivendo uma fraternidade contagiante uns com outros, fiquei impressionada! Percebi que todos eles tinham uma sobriedade no falar, no vestir, no se relacionar com as pessoas. Eu notava que essas características estavam presentes em todos os missionários. Tudo aquilo me encantou. Me sentia iluminada por aquele Carisma que eu nem sabia direito o que era realmente.

Voltei para casa com o coração em brasas, fui rezar e nem dormi direito. Durante o percurso daqueles dias, meses, Deus mesmo foi me conduzindo de maneira tão tranquila e natural que tudo foi se acertando com o tempo.

E, enfim, chegou o grande dia! Dia muito feliz em que estava respondendo a Deus o meu “sim” ao Carisma, o meu sim à igreja. Me tornei missionária, pela graça de Deus, e sou muito feliz nesse chamado que Deus me deu.
Não me arrependo, nenhum um dia, de ter entregado minha vida ao serviço do Reino dos Céus no Carisma Canção Nova.

Ser missionária fora do país, vivendo e vencendo muitos desafios em terra estrangeira requer foco, intimidade com o Crucificado, vida simples, servir a todo o momento. Exige muita luta para ser fiel a Cristo Jesus mantendo a vida centrada Nele.

O maior pagamento, recompensa que recebemos na evangelização é quando ouvimos de alguém : “obrigada por me apresentar Jesus, obrigada porque eu estava na escuridão e agora vejo a Luz “. O Carisma faz isso, é uma força poderosa! Quando atinge alguém, é capaz de transformar e salvar vidas.

Viva o mês vocacional, viva o Carisma Canção Nova, viva a Igreja!

Neidinha
Missionária da Canção Nova
Frente de Missão Atlanta-USA

Comentários