Série Reconhecimento Pontifício

Um carisma útil para toda Igreja e em profunda comunhão com o Sumo Pontífice. Este é o caminho aberto para a Canção Nova por meio do Reconhecimento Pontifício. Na segunda reportagem da série desta semana – exibida pelo telejornal Canção Nova Notícias -, você vai saber quais os passos dados para chegar a este Reconhecimento e o que muda a partir dele.

Assista à reportagem

Monsenhor Jonas Abib, fundador da Comunidade Canção Nova, explica que, “uma vez que já estávamos presentes em vários países, nós pedimos à Santa Sé a plena internacionalização, de podermos ir como Igreja para qualquer país”.

O primeiro passo foi o pedido de aprovação dos Estatutos, feito ao Pontifício Conselho para os Leigos. “Nós apresentamos os estatutos da Canção Nova para o Vaticano. Ele passou por diversas revisões para chegar na redação final, conforme as exigências da Santa Sé. E, depois que a gente apresenta a Santa Sé os estatutos, esse caminho leva uma média de dois anos”, afirma padre Wagner Ferreira, membro da Comunidade Canção Nova, em Roma.

Os Estatutos da Canção Nova foram analisados por especialistas do Pontifício Conselho para os Leigos. O delegado canonista Monsenhor Miguel Galindo Delgado, explica que, “os Estatutos devem ser uma espécie de carta de identidade de uma associação de fiéis”. Após o Reconhecimento, a Canção Nova passará de Associação Pública de Fiéis para Associação Internacional Privada de Fiéis.

O Reconhecimento vem confirmar o chamado feito há trinta anos. “Olhando para o passado eu projeto o futuro nesse grande desejo, de que nós correspondamos a essa confiança que a Igreja deposita em nós”, declara a Co-fundadora, Luzia Santiago.

Veja também:

:: O papel das Novas Comunidades na Igreja

:: As Novas Comunidades na visão de João Paulo II e Bento XVI

:: Canção Nova é pioneira das Novas Comunidades no Brasil

:: Conheça sinais que levaram Monsenhor Jonas a iniciar a Comunidade

:: Saiba como vivem os membros da Canção Nova

:: Saiba mais sobre o apostolado da CN

Comentários